Coeur de Lion Magazine

Dubai está, literalmente, afundando?

Posted in Architecture by Coeur de Lion Magazine on 30/03/2009

“A ilha artificial Palm Jumeirah, um dos marcos de empreendimentos imobiliários em Dubai estaria afundando e, quando se abrem as torneiras nos hotéis construídos sobre ela, só saem baratas”.  É o que disse o New York Times a respeito dos rumores sobre a crise que vem se instalando na cidade.

Arquipélago artificial construído na costa de Dubai de propriedade do Sheikh Mohammed Bin Rashed al Maktoum.

Arquipélago artificial construído na costa de Dubai de propriedade do Sheikh Mohammed Bin Rashed.

A temida crise financeira mundial já chegou no Oriente Médio e não poupou a suntuosa Dubai, famosa dentro dos sete Emirados Árabes como uma cidade futurista, cheia de arranha-céus e largas avenidas. Hoje, como consequência da crise, milhares de trabalhadores estão perdendo seus empregos, que totalizam cerca de 90% da população local, que são em sua maioria estrangeiros.

Os jornais noticiaram que mais de 3 mil carros estão sendo abandonados no estacionamento do aeroporto da cidade, deixados na fuga de estrangeiros endividados, que, de fato, poderiam ser presos se não quitassem suas dívidas. Comenta-se que alguns até deixaram cartões de créditos estourados e bilhetes de desculpas presos com fita adesiva nos pára-brisa dos automóveis.

avenidadubai1

Avenida de Dubai vazia, após fuga de endividados.

O governo declara que os números são bem menores do que os comentados, entretanto, existe um fundo cruel em toda essa verdade, pois sem trabalho, os estrangeiros desempregados perdem seus vistos e devem deixar o país em 1 mês. Com isso, diminuem-se os gastos e fazem baixar os preços das moradias em uma queda crescente, deixando partes de Dubai (que já foi saudada como a superpotência econômica do Oriente Médio) “vazias”, “fantasmagóricas”.

O governo ainda criou um projeto de lei sobre a mídia, que torna crime prejudicar a reputação ou a economia do país, punível com multas que podem chegar até US$ 272 mil. A ação parece ter congelado o noticiário sobre a crise. No mês passado, jornais locais publicaram que o governo estava cancelando cerca de 1.500 vistos de trabalhos por dia.

Segundo analistas, a crise nos Emirados não tem perspectiva de durar muito. O problema é que a capital Abu Dabi, rica em petróleo, até agora só ofereceu ajuda a seus próprios bancos, ignorando Dubai. Esperamos que o paraíso para os arquitetos não esteja no mesmo caminho que a, diga-se de passagem, bizarra, Palm Jumeirah caminha.

Fonte: NYTimes

Anúncios